HISTÓRIA

  • 1901 - 1912

    O governo Britânico comissionou o Admiralty Arch em memória da Rainha Vitória. O edifício faz parte de um memorial nacional mais amplo, concebido pelo arquiteto Sir Aston Webb, que inclui The Mall, o Memorial da Rainha Vitória, os ‘Memorial Gardens’ e refez a fachada do Palácio de Buckingham. O grande projeto foi financiado através de doações levantadas no Reino Unido, domínios e territórios ultramarinos e tinha um comité dedicado presidido por Lorde Salisbury. Na inscrição latina acima do arco pode ler-se: “ANNO DECIMO EDWARDI SEPTIMI REGIS VICTORIAE REGINAE CIVES GRATISSIMI MDCCCCX” que se traduz como: “No décimo ano do Rei Eduardo VII, à Rainha Vitória, dos mais gratos cidadãos, 1910”.

    A construção do Admiralty Arch foi levada a cabo por John Mowlem & Co.

    (Retrato da Rainha Vitória cortesia de Getty Images)

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1911 - 1915

    Aos 37 anos, Sir Winston Churchill foi nomeado Primeiro Lorde do Almirantado. Ao saber da sua nova função, Churchill comentou, “Isto é uma grande coisa – a maior coisa que já me aconteceu – a oportunidade que deveria ter escolhido antes de todas as outras. Vou colocar nela tudo o que tenho.”

    O apartamento na ala norte do Admiralty Arch foi originalmente concebido como a residência oficial dos Primeiros Lordes, substituindo a Admiralty House, mas foi impossível convencer eles a sair e o apartamento tornou-se então a residência oficial dos Primeiros Lordes do Mar.

    Como Primeiro Lorde do Mar, O Almirante Príncipe Louis de Battenberg ocupou, portanto, o apartamento na ala norte, quando foi dada a ordem para mobilizar a frota em 1914. O seu filho, Lorde Mountbatten de Burma, também foi um residente em anos posteriores.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1914 - 1919

    O Almirante Sir William “Blinker” Hall foi nomeado Director da Divisão de Inteligência pelo Almirantado. Dentro da sala 40 do edifício, Ripley (o edifício mais antigo do complexo Admiralty) é onde foi feita a descodificação de códigos e intercepções de rádio, e forneceu a frota com boas informações, tornando a DID a agência de inteligência Britânica mais importante durante a Primeira Guerra Mundial I. Também incentivou a cooperação com outras organizações de inteligência, como o Secret Intelligence Service (MI6) e a Special Branch. Talvez a mais importante contribuição da sala 40 à guerra tenha sido a descodificação do Telegrama Zimmermann, o que levou os Estados Unidos a declarar guerra à Alemanha e juntar-se lado dos Aliados.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1922

    Como Primeiro Lorde do Mar, o Almirante David Beatty esteve envolvido nas negociações do Tratado Naval de Washington de 1922, que limitava as marinhas da Grã-Bretanha, EUA e Japão para uma proporção de 5:5:3, com França e Itália a manterem pequenas frotas. Em 1927, Beatty liderou os preparativos para a Conferência Naval de Genebra do Admiralty Arch, mas as partes não conseguiram chegar a um acordo e a corrida naval aos armamentos continuou posteriormente inabalável.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1939 - 1945

    Ian Fleming trabalhou como Assistente Pessoal do Diretor da Divisão de Inteligência Naval, Almirante John Godfrey. Seu departamento virou amplamente conhecido como Sala 39, em homenagem ao quarto central. Fleming desempenhou um papel-chave na 30 Assault Unit, anteriormente a Special Intelligence Unit. Fleming participou em missões por toda a Europa, América e África, coordenando operações especiais para os Aliados. Também articulou o contato entre o Almirantado e Bletchley Park, a instituição secreta de decodificação de códigos, em Buckinghamshire. Até ao final da guerra, Fleming, nome de código 17F, foi promovido a posição de Comandante.

    Depois da sua carreira no Almirantado, Fleming tornou-se jornalista e autor, e ficou famoso pelas suas novelas do James Bond. Sua experiência no Almirantado, sem dúvida, forneceu um inspiração importante para a personagem James Bond, enquanto o Almirante Godfrey é geralmente considerado como o verdadeiro “M”. Fleming e as missões confidenciais de Godfrey para os Estados Unidos, e o seu trabalho com William Stevenson e Bill Donovan, contribuiram para o estabelecimento do escritório que se tornou a CIA.

    (Aston Martin imagem de cortesia de RM Sotheby’s)

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1939 - 1940

    Durante a II Guerra Mundial, o Almirantado comandava e controlava a Marinha Real. Em setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polónia e o Primeiro-Ministro Neville Chamberlain convidou Winston Churchill para se juntar ao Gabinete de Guerra como Primeiro Lorde do Almirantado. Ao saber da sua nomeação, o Conselho do Almirantado sinalizou a todos os navios e bases navais: “Winston está de volta.” No entanto, Churchill ocupou o cargo apenas brevemente, pois em maio de 1940, substituiu o Chamberlain como Primeiro-Ministro e se mudou para 10 Downing Street.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1953

    Após a coroação da rainha Elizabeth II, a trajetória seguiu um percurso de aproximadamente 5 milhas, começando na Abadia de Westminster, através do Whitehall, Trafalgar Square, Pall Mall, Hyde Park Corner, Marble Arch, Oxford Circus, seguindo pela avenida The Mall, e terminando no Palácio de Buckingham. Quando Sua Majestade viaja para o Palácio de Westminster, por exemplo, na Cerimónia de Abertura do Parlamento, ela segue a antiga rota cerimonial, passando pela cavalaria real. Por entanto, o Admiralty Arch é usado para rotas mais longas que vão para ou voltam da Catedral de St Paul’s.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1955 - 1959

    Se exaltando na sua prestigiosa carreira como oficial da Marinha e estadista, Louis Francis Albert Victor Nicholas Mountbatten, 1º Earl Mountbatten de Burma serviu o seu ultimo destacamento naval como Primeiro Lorde do Mar e retirou-se como um Almirante. Esta foi a primeira vez na história em que ambos, pai e filho, serviram como Primeiro Lorde do Mar. Durante seu mandato, Lord Mountbatten ocupou a residência oficial na ala norte do Admiralty Arch. Posteriormente, serviu como o Chefe do Estado-Maior da Defesa até 1965 e Presidente do Comité Militar da NATO.

    SAIBA MAIS

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1960

    Durante a Guerra Fria, os edifícios do Almirantado continham os departamentos secretos envolvidos no planeamento da possibilidade de uma terceira Guerra Mundial. O Admiralty Arch é conhecido por ter abrigado muitos dos registos produzidos durante esse tempo. A Cidadela, construída no início dos anos 1940 e conhecido como bunker, teria sido usado como refúgio no caso de um ataque nuclear no edifício Old Admiralty vizinho da cavalaria real. Para os interessados, existem dois filmes de espionagem que retrataram os exteriores do Admiralty Arch, O Arquivo Confidencial protagonizado por Michael Caine, e O Espião que Veio do Frio, protagonizado por Richard Burton.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1977

    O Almirante Sir Terence Lewin foi considerado por muitos como o Melhor Almirante que a Marinha Real produziu desde a II Guerra Mundial. Durante o seu mandato no Admiralty Arch como Primeiro Lorde do Mar, garantiu um aumento salarial de 32% aos marinheiros, para manter os salários em par com as taxas civis. Anteriormente Comandante Chefe da NATO e Comandante Chefe da Frota (responsável pela operação, recursos e formação dos navios, submarinos e aviões e pessoal da Marinha Real até 2012), Lewin passou a ser um membro do Gabinete de Guerra durante a Guerra das Malvinas, dando um apoio marcante à Primeira-Ministra Margaret Thatcher. De acordo com um secretário adjunto do Ministério da Defesa, Lewin tornou-se, “o homem mais poderoso de Inglaterra”. Lewin também foi um entusiasta historiador naval amador e uma das maiores autoridades em Captain Cook.

    (Toby Harnden, Independent, Obituário, 25 Jan 1999)

    (Mapa mundo que apresenta as pesquisas do Capitão James Cook da Coleção de Mapas de David Rumsey Map)

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1990 - 2001

    A Marinha Real saiu do Admiralty Arch na década de 1990, quando a sede do exército, da marinha e da força aérea se concentraram num único edifício conhecido como o Main Building em Whitehall.

    O Admiralty Arch permaneceu vazio até 2000, quando o Gabinete do Governo se mudou, apesar de ainda manter sua sede em Whitehall.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 1996

    O Almirante Sir Jock Slater foi o último Almirante que habitou na ala norte do Admiralty Arch e desempenhou um papel fundamental no Jornal de Defesa Estratégica em 1998, tendo anteriormente também servido como Alto Comandante da Frota e Comandante-Major da NATO. Em ocasiões separadas, convidou a Sua Majestade Rainha Elizabeth e a Rainha-Mãe para almoçar. Antes destas ocasiões, nenhuma delas tinha visitado Admiralty Arch.

    Durante a aposentadoria, Sir Jock foi Presidente da Royal National Lifeboat Institution, Presidente dos Curadores do Imperial War Museum e Presidente do Conselho da White Ensign Association.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 2011 - 2015

    Em 2011, o Governo de Sua Majestade organizou um processo competitivo de licitação em busca de um comprador para um arrendamento de longo prazo para o Admiralty Arch. A Prime Investors Capital reuniu uma equipe exclusiva de 20 empresas Britânicas, cada uma líder mundial no seu campo de especialização, para licitar o edifício, e, após quatro rodadas, a empresa foi selecionada como o candidato preferido e lhe foi adjudicado um contrato de arrendamento de 250 anos.

    Em 2013, o Conselho Municipal de Westminster concedeu a permissão de planeamento completo para a restauração e conversão do Admiralty Arch num hotel de 100 quartos, uma a quatro residências privadas e de um clube de membros privado.

    arraste o círculo para baixo para ler mais

  • 2016

    A celebração do 90o aniversario de Sua Majestade ocorreu ao longo da avenida The Mall e ao redor do Admiralty Arch. Estas incluíram um desfile cerimonial pelo The Mall e Almoço de um Patrono para celebrar os feitos notáveis da Rainha no trono. É importante salientar que a Rainha homenageou o Duque de Edimburgo, no seu 90º aniversário (em 2011), nomeando-o Primeiro Lorde do Almirantado, e chefe titular da Marinha Real.

     

    arraste o círculo para baixo para ler mais

1901s

O governo Britânico comissionou o Admiralty Arch em memória da Rainha Vitória. O edifício faz parte de um memorial nacional mais amplo, concebido pelo arquiteto Sir Aston Webb, que inclui The Mall, o Memorial da Rainha Vitória, os ‘Memorial Gardens’ e refez a fachada do Palácio de Buckingham. O grande projeto foi financiado através de doações levantadas no Reino Unido, domínios e territórios ultramarinos e tinha um comité dedicado presidido por Lorde Salisbury. Na inscrição latina acima do arco pode ler-se: “ANNO DECIMO EDWARDI SEPTIMI REGIS VICTORIAE REGINAE CIVES GRATISSIMI MDCCCCX” que se traduz como: “No décimo ano do Rei Eduardo VII, à Rainha Vitória, dos mais gratos cidadãos, 1910”.

A construção do Admiralty Arch foi levada a cabo por John Mowlem & Co.

(Retrato da Rainha Vitória cortesia de Getty Images)

1911s

Aos 37 anos, Sir Winston Churchill foi nomeado Primeiro Lorde do Almirantado. Ao saber da sua nova função, Churchill comentou, “Isto é uma grande coisa – a maior coisa que já me aconteceu – a oportunidade que deveria ter escolhido antes de todas as outras. Vou colocar nela tudo o que tenho.”

O apartamento na ala norte do Admiralty Arch foi originalmente concebido como a residência oficial dos Primeiros Lordes, substituindo a Admiralty House, mas foi impossível convencer eles a sair e o apartamento tornou-se então a residência oficial dos Primeiros Lordes do Mar.

Como Primeiro Lorde do Mar, O Almirante Príncipe Louis de Battenberg ocupou, portanto, o apartamento na ala norte, quando foi dada a ordem para mobilizar a frota em 1914. O seu filho, Lorde Mountbatten de Burma, também foi um residente em anos posteriores.

1914s

O Almirante Sir William “Blinker” Hall foi nomeado Director da Divisão de Inteligência pelo Almirantado. Dentro da sala 40 do edifício, Ripley (o edifício mais antigo do complexo Admiralty) é onde foi feita a descodificação de códigos e intercepções de rádio, e forneceu a frota com boas informações, tornando a DID a agência de inteligência Britânica mais importante durante a Primeira Guerra Mundial I. Também incentivou a cooperação com outras organizações de inteligência, como o Secret Intelligence Service (MI6) e a Special Branch. Talvez a mais importante contribuição da sala 40 à guerra tenha sido a descodificação do Telegrama Zimmermann, o que levou os Estados Unidos a declarar guerra à Alemanha e juntar-se lado dos Aliados.

1922s

Como Primeiro Lorde do Mar, o Almirante David Beatty esteve envolvido nas negociações do Tratado Naval de Washington de 1922, que limitava as marinhas da Grã-Bretanha, EUA e Japão para uma proporção de 5:5:3, com França e Itália a manterem pequenas frotas. Em 1927, Beatty liderou os preparativos para a Conferência Naval de Genebra do Admiralty Arch, mas as partes não conseguiram chegar a um acordo e a corrida naval aos armamentos continuou posteriormente inabalável.

1939s

Ian Fleming trabalhou como Assistente Pessoal do Diretor da Divisão de Inteligência Naval, Almirante John Godfrey. Seu departamento virou amplamente conhecido como Sala 39, em homenagem ao quarto central. Fleming desempenhou um papel-chave na 30 Assault Unit, anteriormente a Special Intelligence Unit. Fleming participou em missões por toda a Europa, América e África, coordenando operações especiais para os Aliados. Também articulou o contato entre o Almirantado e Bletchley Park, a instituição secreta de decodificação de códigos, em Buckinghamshire. Até ao final da guerra, Fleming, nome de código 17F, foi promovido a posição de Comandante.

Depois da sua carreira no Almirantado, Fleming tornou-se jornalista e autor, e ficou famoso pelas suas novelas do James Bond. Sua experiência no Almirantado, sem dúvida, forneceu um inspiração importante para a personagem James Bond, enquanto o Almirante Godfrey é geralmente considerado como o verdadeiro “M”. Fleming e as missões confidenciais de Godfrey para os Estados Unidos, e o seu trabalho com William Stevenson e Bill Donovan, contribuiram para o estabelecimento do escritório que se tornou a CIA.

(Aston Martin imagem de cortesia de RM Sotheby’s)

1939s

Durante a II Guerra Mundial, o Almirantado comandava e controlava a Marinha Real. Em setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polónia e o Primeiro-Ministro Neville Chamberlain convidou Winston Churchill para se juntar ao Gabinete de Guerra como Primeiro Lorde do Almirantado. Ao saber da sua nomeação, o Conselho do Almirantado sinalizou a todos os navios e bases navais: “Winston está de volta.” No entanto, Churchill ocupou o cargo apenas brevemente, pois em maio de 1940, substituiu o Chamberlain como Primeiro-Ministro e se mudou para 10 Downing Street.

1953s

Após a coroação da rainha Elizabeth II, a trajetória seguiu um percurso de aproximadamente 5 milhas, começando na Abadia de Westminster, através do Whitehall, Trafalgar Square, Pall Mall, Hyde Park Corner, Marble Arch, Oxford Circus, seguindo pela avenida The Mall, e terminando no Palácio de Buckingham. Quando Sua Majestade viaja para o Palácio de Westminster, por exemplo, na Cerimónia de Abertura do Parlamento, ela segue a antiga rota cerimonial, passando pela cavalaria real. Por entanto, o Admiralty Arch é usado para rotas mais longas que vão para ou voltam da Catedral de St Paul’s.

1955s

Se exaltando na sua prestigiosa carreira como oficial da Marinha e estadista, Louis Francis Albert Victor Nicholas Mountbatten, 1º Earl Mountbatten de Burma serviu o seu ultimo destacamento naval como Primeiro Lorde do Mar e retirou-se como um Almirante. Esta foi a primeira vez na história em que ambos, pai e filho, serviram como Primeiro Lorde do Mar. Durante seu mandato, Lord Mountbatten ocupou a residência oficial na ala norte do Admiralty Arch. Posteriormente, serviu como o Chefe do Estado-Maior da Defesa até 1965 e Presidente do Comité Militar da NATO.

SAIBA MAIS

1960s

Durante a Guerra Fria, os edifícios do Almirantado continham os departamentos secretos envolvidos no planeamento da possibilidade de uma terceira Guerra Mundial. O Admiralty Arch é conhecido por ter abrigado muitos dos registos produzidos durante esse tempo. A Cidadela, construída no início dos anos 1940 e conhecido como bunker, teria sido usado como refúgio no caso de um ataque nuclear no edifício Old Admiralty vizinho da cavalaria real. Para os interessados, existem dois filmes de espionagem que retrataram os exteriores do Admiralty Arch, O Arquivo Confidencial protagonizado por Michael Caine, e O Espião que Veio do Frio, protagonizado por Richard Burton.

1977s

O Almirante Sir Terence Lewin foi considerado por muitos como o Melhor Almirante que a Marinha Real produziu desde a II Guerra Mundial. Durante o seu mandato no Admiralty Arch como Primeiro Lorde do Mar, garantiu um aumento salarial de 32% aos marinheiros, para manter os salários em par com as taxas civis. Anteriormente Comandante Chefe da NATO e Comandante Chefe da Frota (responsável pela operação, recursos e formação dos navios, submarinos e aviões e pessoal da Marinha Real até 2012), Lewin passou a ser um membro do Gabinete de Guerra durante a Guerra das Malvinas, dando um apoio marcante à Primeira-Ministra Margaret Thatcher. De acordo com um secretário adjunto do Ministério da Defesa, Lewin tornou-se, “o homem mais poderoso de Inglaterra”. Lewin também foi um entusiasta historiador naval amador e uma das maiores autoridades em Captain Cook.

(Toby Harnden, Independent, Obituário, 25 Jan 1999)

(Mapa mundo que apresenta as pesquisas do Capitão James Cook da Coleção de Mapas de David Rumsey Map)

1990s

A Marinha Real saiu do Admiralty Arch na década de 1990, quando a sede do exército, da marinha e da força aérea se concentraram num único edifício conhecido como o Main Building em Whitehall.

O Admiralty Arch permaneceu vazio até 2000, quando o Gabinete do Governo se mudou, apesar de ainda manter sua sede em Whitehall.

1996s

O Almirante Sir Jock Slater foi o último Almirante que habitou na ala norte do Admiralty Arch e desempenhou um papel fundamental no Jornal de Defesa Estratégica em 1998, tendo anteriormente também servido como Alto Comandante da Frota e Comandante-Major da NATO. Em ocasiões separadas, convidou a Sua Majestade Rainha Elizabeth e a Rainha-Mãe para almoçar. Antes destas ocasiões, nenhuma delas tinha visitado Admiralty Arch.

Durante a aposentadoria, Sir Jock foi Presidente da Royal National Lifeboat Institution, Presidente dos Curadores do Imperial War Museum e Presidente do Conselho da White Ensign Association.

2011s

Em 2011, o Governo de Sua Majestade organizou um processo competitivo de licitação em busca de um comprador para um arrendamento de longo prazo para o Admiralty Arch. A Prime Investors Capital reuniu uma equipe exclusiva de 20 empresas Britânicas, cada uma líder mundial no seu campo de especialização, para licitar o edifício, e, após quatro rodadas, a empresa foi selecionada como o candidato preferido e lhe foi adjudicado um contrato de arrendamento de 250 anos.

Em 2013, o Conselho Municipal de Westminster concedeu a permissão de planeamento completo para a restauração e conversão do Admiralty Arch num hotel de 100 quartos, uma a quatro residências privadas e de um clube de membros privado.

2016s

A celebração do 90o aniversario de Sua Majestade ocorreu ao longo da avenida The Mall e ao redor do Admiralty Arch. Estas incluíram um desfile cerimonial pelo The Mall e Almoço de um Patrono para celebrar os feitos notáveis da Rainha no trono. É importante salientar que a Rainha homenageou o Duque de Edimburgo, no seu 90º aniversário (em 2011), nomeando-o Primeiro Lorde do Almirantado, e chefe titular da Marinha Real.